Eis aqui uma das maiores falácias–não uma falácia lógica, nem uma antilogia formal, mas uma falácia de conteúdo, que pretende confundir o ceticismo sadio, legítimo método científico, e a dúvida venenosa, que planta o negacionismo da ciência, e que dá origem do terraplanismo à cloroquina, passando pelo criacionismo.

Essa ideia fomentada por interesses políticos e econômicos de que “a ciência é apenas uma entre muitas opiniões” é muito perigosa, porque pretende substituir a ciência por crenças disparatadas e alheias ao método científico,

A melhor ilustração do método de plantar a falsa ciência por interesses é famoso memorando interno da Brown & Williamson, subsidiária da R. J. Reynolds Tobacco Company, que já confessava em 1969: “A dúvida é nosso produto”.

Há mais de 50 anos a indústria do tabaco tentava desmerecer as estatísticas de que fumar causava câncer, doenças respiratórias e pulmonares, pagando cientistas para espalhar dúvida sobre as estatísticas. A dúvida plantada continua sendo um produto rentável, agora reforçada pelas ‘fake news’, pela redes sociais e suas bolhas epistêmicas, e pela Inteligência Artificial com viés destrutivo.

O artigo abaixo explica. isso…

Folha de São Paulo, 04/08/2020

https://outline.com/a73HGY

Em PDF:

 https://tinyurl.com/y4qtlsqa